quarta-feira, 22 de março de 2017

Mail's, comunicados....

O Burgo1056 vai tendo avanços e recuos, depois de um chibo interno ter soltado um mail para a comunicação social por forma a criar o caos, vem o PP bater com a porta na trombas aos laranjas...


Eis o mail que foi gentilmente cedido à comunicação social:



Eis o comunicado do PP:


segunda-feira, 13 de março de 2017

Atualizações Xuxas no Burgo1056

O sanatório está a servir de argumento para os xuxas saltarem do barco...


Não havrá candidatos às eleições autárquicas no Brugo1056 porque não querem deixar entrar xuxas para o hospital.

Será o Ministro a assumir a candidatura à câmara.

E pornto! A mentira está lançada!


terça-feira, 7 de março de 2017

Eles Andam Aí…


Uns mentirosos compulsivos, dignos do maior descrédito transmitiram-nos que há “forças” a movimentarem-se para o surgimento de um movimento para as autárquicas no Burgo1056.

 




Certo, certo nada é, muito menos aquilo que é dito por aldrabões, mentirosos, infelizes da política e afins. Estamos convictos de que nos mentiram quando nos disseram que um grupo de simpatizantes (e não só) do PS, do PSD e de livres pensadores do Burgo1056 estão a reunir sinergias para a criação de uma candidatura à Câmara da Guarda com objectivos bem claros e definidos:
- Câmara da Guarda,
- Assembleia Municipal,
juntas de freguesia de: - Guarda;
                                   - Maçaínhas;
                                   - Pêra do Moço;
                                   - Gonçalo;
                                   - Arrifana;
                                   - Adão
Adiantaram-nos poucos nomes, assim que conseguirmos apurar mais mentiras publicaremos…

Novo Slogan? Novo Logo?


quarta-feira, 1 de março de 2017

Movimentações Pré-Eleitorais no Burgo 1056



O Burgo 1056 não pára, com as movimentações pré-eleitorais prevê-se que haja novidades a qualquer momento e as leituras são extremamente fáceis de fazer…


As auscultações que temos feito deixam-nos curiosos relativamente ao desenrolar das situações, nomeadamente nas autárquicas que se aproximam, no entanto somos baralhados por mentirosos e aldrabões, más línguas e charlatões que teimam em dar-nos a sua versão dos factos.

Transmitiram-nos que por um lado AA avança com medo, apelando à união com o CDS, à união daqueles que saíram em 2013, à união de um partido que ele próprio não soube galvanizar – começando agora a vestir a pele de cordeiro.

Muitos descontentes nas fileiras laranjas esperam pacientemente pelo aparecimento de uma lista e caso não se revejam na mesma garantem que ficarão em casa deixando o trabalho para quem ele (AA) entender escolher.

Disseram-nos as más línguas que não estavam presentes mais de 40 militantes na assembleia do PSD que homologou a recandidatura o que é mau presságio uma vez que, segundo umas contas que ouvimos numa tasca desta cidade, o caderno eleitoral laranja conta com mais de 800 pessoas. Moral da história: a recandidatura de AA foi homologada por uma ínfima minoria de militantes laranja, que apesar da apregoada “unanimidade ” (dos 40 presentes). Resta saber a opinião dos restantes 760 que optaram por não participar da “aclamação”.

Sem duvida que, a ser verdade o que nos disseram (caros leitores: duvidem e em caso de permanecer a dúvida não acreditem no que aqui escrevemos) a carência que uma larga maioria presou por marcar ausência será sinónimo de um desligamento com o partido, ou pelo menos daquele que se tem por dono e senhor dele. Contas feitas foram apenas 5% aqueles que “aclamaram” a recandidatura e 95% aqueles que fizeram questão de marcar ausência.

Disseram-nos que se numa primeira fase as festas e as rotundas foram bem-vindas por parte de militantes e simpatizantes, por outro e com o passar do tempo esperavam algo mais como empresas, emprego, melhores condições de vida. Alegam que o despesismo é demasiado e que as coisas são feitas a elevados custos, e o tão necessário emprego não aparece.

Afiançaram-nos que “os bajuladores do costume” estão sempre com o líder (seja lá ele quem for), mas que daqueles que marcam a diferença e influenciam resultados dentro e fora do partido muitos poucos se aproximaram de AA, preferindo manter uma distância sã que lhes permita um virar de costas à candidatura sem que lhes seja apontado nada partidariamente.

Olhando as freguesias da Guarda bem como a sua população depressa se pode fazer a leitura de que a freguesia da Guarda (onde Prata teve mais votos que Amaro em 2013) é a que norteia os destinos de uma eleição, quer pelo universo populacional uma vez que representa mais de 60% do eleitorado, quer porque pela índole de esclarecimento, juventude, e poder de influência das freguesias rurais. Sendo que é essa mesma freguesia influenciadora de todas as outras bem como aquela onde surgem mais vozes de descontentamento.

Hoje um presidente das aldeias como Madeira Grilo apelidou Abílio Curto já não se governava - a despovoação que têm vindo a sofrer as freguesias rurais fazem com que cada vez mais a importância seja dada à urbe.

Confidenciaram-nos alguns maldizentes que os “braços armados” de AA são também fracos, uns porque não têm raízes no Burgo 1056, outros porque são desprovidos de know-how técnico e até mesmo de habilitações literárias o que, segundo nos afirmaram, tem gerado uma onda de antipatias no seio do partido laranja. Citaram-nos de há casais laranjas que lamentam ter filhos licenciados e mestrados em casa e sem trabalho e que AA só dá emprego a quem tem o 12º ano ou menos (???será verdade???). Por outro lado alegam que há colaboradores cuja vida pessoal e financeira não abonam em nada uma candidatura quer devido aos comportamentos noctívagos, quer devido aos calotes espalhados por empresários da cidade.

De igual forma as ligações que nos disseram ser inegáveis de AA à ULS e aos concursos alegadamente irregulares podem trazer-lhe dissabores, dado que a entrada de um, representa em simultâneo o afastamento de dezenas e esta situação refletida em votos poderá trazer um amargo de boca aos laranjas – segundo muitos que prometem mostrar o seu descontentamento no boletim de voto.

Um acutilante bebedor de tinto, já com uns almudes entornados, afirmou que a actual lista tem forçosamente que ser desmantelada porque o número dois gere também uma empresa que por sinal presta serviços à câmara, para além das conotações socialistas que sempre teve; porque a número três não passa de um “jarrão” que nada faz a não ser marcar presença (e caso não haja coligação está fora), porque o número quatro afasta mais votos do que atrai dado a antipatia e rudez no trato dos funcionários municipais.

Afirmam que após ter prezado pela ausência nos momentos mais importantes da coligação, Fity poderá bater com a porta virando costas àquele que nunca lhe “passou charuto”, sendo que só terá capacidade de uma candidatura capaz através de quem tem feito o papel de oposição no CDS-PP: Cláudia Teixeira.

Há ainda a questão do eleitorado que votou Amaro 2013 por antipatia às políticas seguidas pelo PS, ou seja, foram votos contra o PS e não a favor do PSD. A questão é a de que esse mesmo eleitorado se revê no desempenho do actual executivo ou estará disposto a dar um voto de confiança (se este for pedido com jeitinho) a uma candidatura do PS?

Outras más línguas mais rosadas dizem que do lado do PS as coisas não estão melhores: alegam que existe uma distrital onde um celoricense qual ventríloquo teima em manipular bonecos, onde na Guarda há uma liderança frágil que se vendeu ao poder do executivo aquando prestou serviços com a própria empresa no sunset e com independentes na ainda actual lista que já se vergaram aos desejos da maioria.

Outra pessoa nos apresentou uma visão curiosa: que é a de que haverá muitos eleitos destemidos e que não temem as percas de mandato por terem, ou serem sócios de empresas que prestam serviços à autarquia – acrescentando que é a promiscuidade no seu auge.

Contam que do lado da rosa eram muitos os que almejavam ser candidatos, mas apenas caso não fosse Amaro, sugerindo que são preguiçosos ou medrosos. Mais, afiançaram-nos alguns mentirosos que agora ninguém está disposto a avançar porque uns não querem ter derrotas no currículo e outros não estão dispostos a ser “carne para canhão”. Ou seja, se há uns tempos atrás havia muitos a querer ir no andor, atualmente ninguém quer “dar o corpo às balas” e a estratégia é empurrar nomes para a fogueira como se da santa inquisição se tratasse.

Mais, asseguraram-nos que o próprio Carreira já não estará disposto a “aturar” certas imposições nem a ser o mártir em prol dos desejos e vontades de certos dinossauros que teimam em não deixar de intervir na vida activa do partido.

Uma similaridade existe em ambos os partidos: os “porta andores” só estão disponíveis depois de verem uma lista condigna e que caso contrário cruzarão os braços e ficarão a ver a “tenda arder” sentadinhos no sofá.

Por outro lado, o foco do momento é a ULS para a qual já há muitos candidatos a candidato, sendo que, segundo nos mentiram, se digladiam os poderosos para se colocarem a si mesmos, amigos e até familiares. Afirmam-nos que com uma distrital frágil e comandada à distância desde terras de Fernão Rodrigues Pacheco, com poucos focos de oposição, e cujo empenho é o de arranjar tachos apenas e só para uma única família sendo certo que Zézé já tem o lugar assegurado pela CIMBSE.

Dos concursos da ULS apenas se sabe que mais um foi anulado, sendo que abriram mais três para “fazerem fatos por medida” segundo nos informaram (bem ou mal, não sabemos). Ainda da ULS, uma desinformação curiosa que nos deram foi de que tem havido imensas fugas de informação sendo que houve candidatos com acesso às questões colocadas nas entrevistas muito tempo antes das mesmas decorrerem – verdade? Más línguas? Decidam os leitores…